Orçamento familiar: aprenda a fazer de uma vez por todas

Por Redação IQ 360

Manter as finanças saudáveis é um dos melhores caminhos para quem quer contar com estabilidade e segurança a curto, médio ou longo prazo. Existem muitas ferramentas para fazer isso e todas elas podem ser usadas em conjunto para criar o melhor cenário possível. Por isso, hoje falaremos um pouco melhor sobre orçamento familiar e como ele pode ajudar você a deixar todas as suas contas.

Orçamento é o nome dado a um valor estipulado para o custo de uma determinada operação. No contexto familiar, isso significa determinar com antecedência de que maneira seu dinheiro será empregado nas despesas individuais e domésticas.

Assim, fazer um orçamento familiar significa colocar na ponta do lápis quais são os custos fixos (aluguel, plano de saúde e etc) e quais são as variáveis para poder determinar qual a parcela que cada um deles irá representar na distribuição do dinheiro.

Existem algumas dicas para estipular esses valores. Os gastos com moradia (aluguel ou financiamento) não deve ultrapassar 30% do rendimento mensal. É claro que existe flexibilidade para essa situação, mas vale a pena consultar valores de referência para entender se alguma área está consumindo mais dinheiro do que o necessário.

Quer entender melhor como tirar esse orçamento familiar do papel e colocá-lo em prática? Confira abaixo o passo a passo que fizemos para tornar essa tarefa o mais simples possível para você!

Como fazer um orçamento familiar?

 

1 – Controle entradas e saídas

O primeiro passo para começar seu orçamento familiar é fazer um controle de todas as entradas e saídas de dinheiro. Registre os salários e outras fontes de renda de todos os provedores da casa, somando os valores e incluindo todos os dependentes.

As contas e gastos também precisam estar bem estruturados, para que se entenda de que maneira o dinheiro está sendo gasto. Utilizar um aplicativo, como o do iq, pode ser uma boa maneira de fazer isso e garantir que todos os membros da família registrarão seus próprios consumos, já que é preciso que as movimentações de todos sejam registradas.

2 – Separe gastos coletivos e individuais

Quando se trata de um orçamento familiar, é muito importante entender quais são os gastos individuais e quais são compartilhados. Aluguel, contas da casa, investimentos conjuntos e bens divisíveis são mais facilmente identificáveis como coletivas, da mesma maneira que compras individuais já são autoexplicativas.

Para lidar com tópicos mais complexos, o diálogo é sempre o melhor caminho. Vale a pena conversar para entender como itens de compra pontual serão divididos. Isso é essencial para separar as contas do orçamento familiar compartilhado da fatia que é destinada a gastos separados.

Caso a situação envolva filhos ou outros dependentes não geradores de renda, a conversa também é a melhor maneira de resolver impasses. Se os gastos são ilimitados (concessão de cartão de crédito, por exemplo), talvez o valor esteja excedendo o ideal e uma mesada fixa pudesse ser mais controlável.

Saiba como ser aprovado para um cartão de crédito!

Confira dicas exclusivas no ebook iq para aumentar as chances de ser aprovado para um cartão de crédito

E-mail enviado com sucesso.

3 – Estabeleça objetivos juntos e separados

Da mesma maneira que é importante dividir a natureza dos gastos e rendimentos, também é válido traçar objetivos e metas dessa forma. Como em toda situação familiar, é importante colocar em pratos limpos quais são as metas de cada um para entender se elas são compatíveis com a realidade coletiva.

A troca de um aparelho celular ou modelo de carro particular, por exemplo, podem ser metas individuais de um dos membros da família, enquanto o financiamento de um apartamento próprio seja a meta coletiva. Nesse caso, seria preciso entender quanto de dinheiro precisa ser poupado para cada item e de que maneira (tempo, investimento, aplicação) isso aconteceria.

Mas, o que fazer se as metas forem incompatíveis entre si? Mais uma vez, diálogo é a porta de saída da situação. É preciso conversar e entender qual é o objetivo central. Uma viagem em família pode ficar para trás pela necessidade de trocar de carro, enquanto o financiamento do apartamento pode sobrepor-se a uma viagem internacional. Assim, vale a pena decidir conjuntamente quais as prioridades e quais as concessões que cada um está disposto a fazer.

4 – Tenha diálogo para definir a proporcionalidade dos gastos

Como já vimos, conversar abertamente é um passo muito importante para a realização de um orçamento familiar efetivo e possível. Nesse ponto, é preciso conversar sobre a forma como a contribuição de cada rendimento será utilizada.

Imagine uma família composta por pai, mãe e um filho adulto que já trabalha. Cada um deles possui uma determinada renda com valor diferentes das demais. Para entender a organização financeira da casa, é preciso decidir agora como a distribuição financeira será.

Dividir as despesas igualmente pode ser interessante para o casal que busca uma divisão igualitária, mas pode desequilibrar as finanças pessoais de cada um devido ao peso que cada conta tem em seu salário. A contribuição de um valor fixo mensal por parte do filho, por exemplo, pode exceder uma divisão simples ou ser muito inferior a uma repartição proporcional.

Para resolver isso, é preciso colocar todos os itens na ponta do lápis e conversar abertamente sobre as possibilidades de cada um e com aquilo que deixa a todos mais confortáveis e felizes com o arranjo que foi feito.

5 – Mantenha o controle

Se você seguiu todos os passos acima, está pronto o seu orçamento familiar! Não se trata de um bicho de sete cabeças e nem mesmo de algo para especialistas, mas sim de uma tarefa de economia doméstica que pode ser aplicada com facilidade. No entanto, para isso é preciso ter organização. Manter esse controle ao longo do tempo é essencial para não deixar a peteca cair e garantir que todas as definições sejam cumpridas. 

O iq ajuda você a sincronizar suas contas, automatizar seus pagamentos e ter o máximo de comodidade possível.

As informações foram úteis?

2.5 / 5 (2 avaliações)