Vai comprar um veículo usado? Fique atento para não ser enganado

Por Emily Moura

compra e venda carro usado

Comprar um carro 0km nem sempre é a primeira opção do consumidor. Em muitos casos, a economia ao escolher um seminovo pode ser fundamental na hora da compra. O Chevrolet Onix,  que foi o carro mais vendido no Brasil em 2018 e continua liderando as vendas em 2019, pode apresentar uma diferença de preço de R$ 4.600: um modelo Hatch LT 1.4 8V FlexPower 5p Automático novo sai por R$ 56.762 em média, enquanto que o seminovo é vendido por R$ 52.153. Outro exemplo é o Jeep Renegade, a SUV que começou 2019 na ponta desse segmento. Enquanto um modelo novo Sport 1.8 4×2 Flex 16V Automático é vendido por R$ 84.475, um seminovo está R$ 77.424 – uma economia média de pouco mais de R$ 7.000.

Se um seminovo ainda parece estar fora da sua realidade financeira, um carro usado pode ser a solução. Usando os mesmos exemplos do parágrafo anterior, mas com modelos de 2016, os valores seriam de R$ 43.723 e R$ 64.301, respectivamente, uma economia média de R$ 13.039 no Onix e R$ 20.174 no caso do Renegade.

Seja um veículo seminovo ou um usado, o importante é dedicar tempo para analisar qual é o estado do carro. Existem pontos-chave que merecem atenção. Por exemplo, consultar o manual do proprietário e verificar se as revisões obrigatórias foram realizadas é um bom ponto de partida. Isso vai mostrar o histórico de manutenção e como o antigo dono conservava o veículo.

Há outras formas simples de identificar problemas com um carro, que vamos listar a seguir, para que você possa interpretar e tomar a melhor decisão. Mas, antes, é importante entender bem o que é um veículo usado e um seminovo.

SAIBA+IQ: Conheça 10 situações que podem ocorrer ao ter de acionar o seguro e o que fazer em cada caso

Qual é a diferença entre um carro usado e um seminovo?

Carros seminovos têm características muito próximas aos carros 0 km, por isso eles são bastante valorizados. Existem algumas condições que enquadram um carro como seminovo: o veículo deve ter, no máximo, 3 anos de uso, e ter condições semelhantes aos novos. Além disso, é preciso ter tido apenas um proprietário e possuir baixa quilometragem, por volta de 20 mil km rodados.

Quando o carro não se encaixa em nenhum dos pontos acima, ele é considerado um veículo usado e, por esse motivo, ele é mais barato. Quanto mais velho, mais desvalorizada é a revenda. Nesse caso, há duas regras importantes dos especialistas. A partir de 60 mil km, há em geral desgaste de muitas peças e necessidade adicionais de manutenção. Por isso, é importante verificar se o atual proprietário manteve o carro em ordem. Se não, vem a segunda regra: faça uma conta e calcule qual será o gasto adicional com manutenção ou reparo. Se o investimento necessário for maior que 15% do valor da tabela Fipe do veículo, provavelmente esse usado não é uma boa aquisição.

Outra dica importante é salvar a ferramenta IQ-Consulta Placa no seu navegador. Com ela, você pode conferir a desvalorização gradual por ano de qualquer veículo utilizando apenas a placa. Além disso, essa ferramenta permite visualizar também outras várias infomações do veículo: dados técnicos, se há alguma restrição para a aquisição, Multas, entre outros.

Por fim, se ainda há dúvida na hora de decidir entre comprar um automóvel seminovo ou usado, pondere os pontos positivos e pesquise para ter uma comparação de preços e de condições do modelo escolhido. A ferramenta Comparar Carros, também do Grupo IQ, permite procurar e comparar modelos de carro e ter acesso a informações relevantes como custos de IPVA e o valor médio do seguro. Com esses valores em mãos, fica muito mais fácil tomar a melhor decisão do ponto de vista financeiro.

SAIBA+IQ: Descubra como o preço do seguro auto é calculado

Detalhes que requerem atenção na hora de comprar um veículo

Independentemente de comprar um carro seminovo ou usado, é necessário fazer uma verificação minuciosa do veículo. Checar documentação e até mesmo verificar possíveis colisões deveriam fazer parte do processo. Confira 9 dicas que a equipe do IQ Veículos preparou para ajudá-lo a analisar se o carro que você está planejando comprar não se transformará numa grande dor de cabeça:

  1. Pesquise bem: Antes de começar sua pesquisa em sites de venda, confira o preço do veículo. Use a ferramenta gratuita do IQ-Consulta Placa, que está ligada à tabela Fipe e vai mostrar o valor esperado para aquele carro. Assim você consegue ter uma média de preço para basear sua pesquisa. Liste características essenciais para você, como vidro elétrico e ar condicionado, para filtrar exatamente os modelos que deseja. Pesquise em diversos sites de vendas e não compre no primeiro orçamento. Se possível, visite o vendedor.
  2. Verifique a documentação do veículo: Após pesquisar bastante e escolher a opção mais vantajosa para o seu bolso, verifique a documentação do veículo e a placa. É interessante começar por essa parte, pois de nada adianta um veículo em bom estado, porém com diversas pendências. Por exemplo verifique se o veículo está alienado, se tem multas ou qualquer tipo de restrição. Para esta etapa, você também pode usar o IQ-Consulta Placa, que faz a verificação de diversas informações de restrições e multas no Detran.
  3. Olhe o manual do proprietário: Geralmente, no manual do proprietário são registradas as revisões feitas em concessionária. Dessa forma, você pode checar se o proprietário faz manutenções preventivas regulares no veículo. Isso assegura que você está comprando um carro bem cuidado, diminuindo a probabilidade de você enfrentar problemas de manutenção além dos esperados pela quilometragem rodada. Caso o manual do veículo não tenha nenhum registro, pergunte onde foram realizadas as revisões anteriores. Por meio da placa, você pode ligar ou ir até a oficina e consultar se aquele veículo está com as revisões em dia.
  4. Identifique se o veículo já teve colisões: Veículos que já tenham colidido geralmente tem valores muito mais baixos devido a todas as peças que tiveram de ser trocadas. Mas, claro, assim como todas as informações, o vendedor deve deixar claro se o carro já sofreu uma batida ou até capotamento. Em todo caso, verifique se o veículo está íntegro. Alguns detalhes denunciam a troca de peças, como o chassi do veículo impresso em todos os vidros do carro, que é um sinal de que a peça é original. Se em algum dos vidros esse número não estiver registrado, provavelmente essa peça foi trocada. Com os dedos, cheque se a lataria do carro não tem ondulações ou partes ásperas. Em casos mais graves, em que o carro precisou ser restaurado, é obrigatória uma vistoria credenciada pelo Inmetro. Após essa vistoria, que certifica que o veículo tem condições de circular novamente, no documento do veículo é adicionada a seguinte observação: SINISTRO/RECUPERADO.
  5. Certifique-se que o veículo não passou por enchentes: Um carro que já passou por uma enchente pode causar diversos problemas a médio prazo. Por isso, um veículo nessas condições é muito mais barato. Uma dica para conferir se o carro já passou por enchente é encontrar peças enferrujadas no porta-malas, próximas ao estepe. Outra forma de conferir é por meio do odor. O veículo fica com um cheiro característico de tecido molhado, semelhante ao mofo. Dificilmente é possível se livrar desse cheiro, mesmo após a lavagem. Nem a troca do estofamento é suficiente. Se encontrar algum indício, questione o vendedor.
  6. Consulte um profissional: Contratar um profissional para verificar o carro pode ser essencial. Por mais que você consiga identificar colisões e outras situações pelas quais o veículo tenha passado, muitas vezes só o olhar treinado de um especialista pode encontrar outros defeitos importantes e decisivos para a compra. Você pode chamar o seu mecânico ou funileiro, que podem observar de maneira criteriosa o veículo que está negociando. Se o veículo estiver à venda em uma concessionária, é muito provável que você não consiga levar o veículo até um mecânico para uma avaliação mais profunda – mas você pode levar o mecânico até a concessionária. Mas, se o carro estiver sendo vendido diretamente pelo proprietário, é possível negociar com ele ou pedir para que o acompanhe em uma revisão em uma oficina da sua confiança.
  7. Verifique se as peças são originais: Peças originais, além de influenciar no valor final do produto, são muito importantes para que você saiba exatamente o que está levando para a garagem de casa. Uma dica útil para conferir é olhar as datas de fabricação. Por exemplo, se o carro for um modelo 2015 e a lanterna tem data de fabricação 2018 certamente ela não é original. Sempre questione o vendedor e exija o preço justo. Sem peças originais, o carro fica desvalorizado em relação à tabela Fipe, podendo custar até 20% menos do que o valor indicado. Nesses casos, o comprador tem um poder de negociação maior e pode conseguir um desconto sobre o preço de venda.
  8. Verifique se o carro tem chave reserva: Pequenos detalhes podem fazer uma grande diferença no seu bolso. Sempre pergunte se o veículo ainda tem chave reserva. Pode parecer uma bobagem, mas é muito fácil perder uma chave veicular. Fazer uma cópia não é barato. Com a tecnologia embarcada nos produtos, os preços variam muito, mas começam a partir de R$ 100. Por exemplo, uma chave simples para o Peugeot 206 sai em média por R$ 120. Já uma codificada para o Chevrolet Onix, é encontrado por R$ 390.
  9. Faça um teste drive: Nada melhor do que sentir o carro na prática para saber como ele se comporta em movimento. Faça um teste drive e submeta o carro a subidas, buracos, ruas com curvas e, se possível, pista molhada. Veja como os pneus e suspensões se comportam e fique atento para barulhos estranhos.

Após escolher de forma segura um veículo, não se esqueça da importância de fazer um seguro para o seu novo carro. Além de ser uma garantia para o condutor se prevenir dos contratempos também é sinônimo de economia. Com o IQ Seguros você consegue a cobertura ideal para o seu perfil e com o preço justo. Além disso, você pode começar sua contratação agora mesmo diretamente do nosso site. Em apenas alguns minutos você já tem sua cotação e pode começar a proteger o seu veículo.

Todas essas dicas são fundamentais para que você não compre gato por lebre e saia no prejuízo. Você nunca deve esquecer que está adquirindo um bem e que, no futuro pode querer vendê-lo – por mais longo que seja o período que vai ficar com esse carro. E, não se esqueça, o IQ-Consulta Placa acompanha a desvalorização desde a fabricação, o que pode ser um aliado para você encontrar um bom período para revender o veículo.

SAIBA+IQ: Errar na escolha do seguro auto pode impactar em até 275% o seu orçamento