Como aproveitar a queda das ações de empresas de tecnologia nos EUA

Por Maria Teresa Lazarini

queda-das-acoes-de-empresas-de-tecnologia-nos-eua

Na primeira semana de dezembro, a empresa de telecomunicações chinesa Huawei causou um dos maiores abalos do ano no mercado de tecnologia: após a prisão da chefe de operações financeiras Meng Wanzhou, as bolsas de valores ao redor do mundo foram diretamente impactadas pelos problemas internos da gigante tech chinesa. A Nasdaq, a bolsa de valores americana de empresas de tecnologia, que não tem ações da Huawei listadas, caiu 1% no dia da prisão da executiva – no ano, até 12 de dezembro, o recuo era de 0,2%.

Mas a Huawei não é a única culpada pela queda contínua do valor das empresas de tecnologia. Muitas companhias estão em baixa em razão de problemas de reputação ou pela diminuição de demanda de produtos. A verdade é que as ações das maiores empresas do mundo de tecnologia estão indo de mal a pior já faz um tempo. E esse é um bom sinal para quem planeja investir em algum papel.

O mês de novembro foi marcado por grandes emoções para as gigantes de tecnologia americanas. A chamada FAANG, acrônimo das ações de Facebook, Apple, Amazon, Netflix e Google (que é representada na bolsa pela Alphabet), perdeu mais de US$ 400 bilhões em valor de mercado.

SAIBA+IQ: Você também pode brincar de ganhar dinheiro com os e-sports

A MORDIDA NA MAÇà A queda que chamou mais a atenção foi a da Apple, que abriu o mês valendo mais de US$ 1 trilhão e encerrou perto de US$ 850 bilhões. O principal motivo das ações AAPL terem caído cerca de 18,4% em novembro (sua maior queda desde a crise imobiliária de 2008, período de maior baixa da gigante de tecnologia, quando registrou -32,96%) foi a divulgação do relatório da Lumentum, empresa que fabrica os sensores de reconhecimento facial da Apple. A companhia informou que recebeu um pedido menor para a fabricação dos componentes nos próximos meses, o que levou os investidores a concluírem que a demanda para a compra de iPhones diminuiu.

Apesar de a Apple ter sido a empresa de tecnologia que mais sofreu com a desvalorização, as outras gigantes da FAANG não ficaram atrás. O Facebook, que enfrenta um dos seus piores momentos de relações públicas de sua história, também está desagradando o mercado de ações. Os escândalos que envolveram o uso de dados de 50 milhões de usuários pela Cambridge Analytica afetaram a reputação da rede social. Entre julho e novembro, os papeis da empresa de Mark Zuckerberg recuaram 40%.

SAIBA+IQ: A gigante Amazon ainda não encontrou limites

SÓ A AMAZON SALVA  Enquanto as ações do Facebook caíram 13,2% nas três primeiras semanas de novembro, a Netflix, Amazon e a Alphabet (Google) tiveram uma baixa menor, de -9,8%, -6% e -5,6%, respectivamente. Mas,  diferentemente das outras companhias, a Amazon conseguiu se recuperar na última semana do mês, com uma valorização de 11,3%.

A correção no preço das ações pode ser uma oportunidade para adquirir os papeis das FAANG. O comportamento da Amazon demonstra que um efeito cascata derrubou o valor das companhias. A partir de dezembro, o investidor brasileiro poderá acessar diretamente a Nasdaq ou a Nyse pela corretora Avenue, que foi criada pelo brasileiro Robert Lee para atender o investidor latino americano que não mora nos Estados Unidos. A Avenue está em operação e é o caminho para você ter na sua carteira de investimentos uma das FAANG.

As informações foram úteis?

0 / 5 (0 avaliação)