O que é o COE?

Por Redação IQ 360

Ações listadas na B3

COE é a sigla para Certificados de Operações Estruturadas. Trata-se de um produto de investimento emitido por bancos e comercializado por instituições financeiras (corretoras e bancos). O COE foi inspirado nas Notas Estruturadas, aplicação financeira muito popular na Europa e nos Estados Unidos, cujo volume é responsável por 10% do funding bancário mundial.

No Brasil, a história do COE é mais recente. Ele foi regulamentado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) em 2013 e começou a ser comercializado apenas em 2015. Segundo dados da B3 (Brasil Bolsa Balcão), o COE é vendido por 21 corretoras e emitido por 15 bancos. No fim de 2018, o volume em estoque do produto alcançou R$ 17 bilhões. Desse total, quase R$ 11 bilhões foram aplicados ao longo do ano passado. Isso revela uma impulsão recente do mercado à comercialização dos COEs.

SAIBA+IQ: Quer comprar dólar? Veja cotações, história e onde a moeda mais importante do mundo é aceita

Como o COE funciona?

O COE é um produto que reúne diferentes ativos de investimentos em um único lugar. Ele é uma espécie de “pacote” composto parte por renda fixa (CDB) e parte por renda variável (dólar, ações, commodities etc.) A composição de cada parte é determinada pelo emissor do produto, e deve ser avaliada pelo investidor no momento da contratação. É no DIE (Documento de Informações Essenciais) que consta a composição do COE, qual é a instituição emissora, rentabilidade estimada, data-alvo e proteção (ou não) do valor investido. Esse documento deve ser entregue pela corretora ou banco escolhido pelo investidor.

Em geral, os COEs têm metas pré-estabelecidas, que servem como uma referência ou aposta de retorno futuro. Não há nenhuma garantia de rentabilidade; o valor de referência é apenas um limite para o ganho calculado.

A parte de renda fixa serve como um seguro para eventuais perdas em renda variável. Mas fique atento: alguns COEs podem implicar na perda de 100% do valor investido.

Existem dois tipos de COE: o valor nominal protegido e o valor nominal em risco. O primeiro garante que, mesmo que haja alguma variação negativa nos ativos contidos no “pacote” do COE, o investidor receberá o valor do aporte de volta. Não há nenhum tipo de correção – ou seja, pode haver rentabilidade negativa, devido à variação inflacionária do período. No segundo caso, o investidor pode perder tudo que investiu, mas não terá nenhum ônus extra – ou seja, não haverá saldo negativo. No Brasil, quase a totalidade dos COEs emitidos entram na modalidade de protegidos. No exterior, essa proporção é meio a meio.

As metas atreladas ao rendimento do COE funcionam da seguinte forma: determina-se que o conjunto de ativos do COE devem atingir um valor acima do índice de referência, em um período de X anos. Por exemplo: se as ações de três empresas diferentes atingirem uma variação de 20% do Ibovespa em 2 anos, o investidor receberá os 20% de retorno. Tais 20%, em geral, representam um limite. Ou seja, mesmo que as ações se valorizem 30% ou 40% do estipulado, só os 20% irão para o investidor.

Caso o retorno não seja atingido, há duas possibilidades: o investidor receberá somente o que investiu, caso tenha optado pelo valor nominal protegido; ou não receberá nada, caso tenha optado pelo valor nominal em risco. A opção de receber o valor investido pode ser vantajosa quando há perdas relevantes nos ativos. Por exemplo: se o investidor tivesse aplicado diretamente nas ações de uma empresa, e esses papéis tivessem se desvalorizado, ele não resgataria o que aplicou inicialmente.

Mas é importante ficar atento a outro detalhe. No caso do COE, com meta atrelada a três ações de empresas, se duas delas subirem 40% e a terceira subir somente 19%, o investidor não terá atingido a meta dos 20% e não terá direito de recolher o ganho.

É preciso ficar atento também ao prazo de vencimento do COE. Muitas instituições têm emitido COEs com prazo de vencimento de cinco anos. Quanto mais distante for a data-alvo, mais difícil será prever os eventos que podem influenciar no atingimento da meta. Ou seja: o investidor acaba tomando uma dose maior de risco, com uma perda potencial maior (lembre-se que, após cinco anos, a correção inflacionária será maior, então ele pode ter uma perda real significante).

Alguns COEs preveem o mecanismo do “autocall”. Isso significa que, caso a meta de rentabilidade seja atingida antes do fim do prazo do investimento, o investidor recebe os recursos antecipadamente.

SAIBA+IQ: Por que há tanta desconfiança com a Empiricus?  

Qual é o perfil de risco do COE?

Apesar de ter uma composição de renda fixa, o COE é considerado um investimento de risco moderado. A possibilidade de não atingir a rentabilidade estipulada deve ser levada em conta. Um levantamento de 2018 mostrou que 54% dos COEs rendiam menos que o CDI. Ou seja: apesar das promessas de grandes ganhos, mais da metade desses ativos estavam remunerando menos que aplicações conservadoras, como as em Tesouro Direto ou até mesmo em poupança.

O COE não é protegido pelo Fundo Garantidor de Crédito. Caso o banco emissor for à falência, não há cobertura oficial que resguarde os investidores. Por isso, é recomendável optar por instituições sólidas e pesquisar sobre suas condições financeiras. Entre os maiores emissores de COE estão os grandes bancos brasileiros (Itaú, Bradesco, Santander e Safra), além de algumas instituições estrangeiras, como o Citibank.

A liquidez do COE é muito baixa, o que significa que o investidor só poderá resgatar os recursos na data-alvo estipulada. Caso haja o “autocall”, esse prazo pode ser abreviado, como já explicamos.

SAIBA+IQ: Por que a Apple quer transformar o mercado de cartões com o Apple Card

O COE tem taxa de administração? Como funciona a remuneração da corretora?

Sim, e nem sempre essas taxas são indicadas no momento da contratação. Uma das razões para o aumento da popularidade dos COEs é a vantagem financeira para os emissores (bancos) e comercializadores (corretoras). Para os bancos, o benefício é o de captação de recursos a um valor mais baixo. Em geral, a parte de renda fixa do COE é destinada aos próprios emissores. Ou seja: você está emprestando dinheiro para o banco, sem retorno garantido.

Muitas carteiras têm sido indicadas com alguma composição de COEs, sem que todas as vantagens e desvantagens tenham sido explicadas. Estima-se que a taxa de administração cobrada pelos comercializadores seja de 5%, em média, podendo chegar a 10% em algumas instituições. Parte disso fica com o assessor de investimentos, por isso é importante ter cautela com a oferta entusiasmada de COEs.

O COE, ao contrário de alguns fundos, não sofre a cobrança de come-cotas. O rendimento é tributado com a mesma tabela que referencia a cobrança de Imposto de Renda de produtos de renda fixa. Veja abaixo:

Período de aplicaçãoAlíquota de IR
Até 6 meses22,5%
De 6 meses a 1 ano20%
De 1 a 2 anos17,5%
Mais de 2 anos15%

SAIBA+IQ: O CrossFit vai derreter como as paleterias mexicanas?

As informações foram úteis?

Você não achou esse artigo útil.
Nos ajude a melhorar! Como podemos tornar esse artigo mais útil?
Agradecemos pelo seu feedback!

As informações foram úteis?

0 / 5 (0 avaliação)