Uber ou carro próprio: o que vale mais a pena?

Por Redação IQ 360

Uber ou carro próprio: qual é a melhor opção para gastar menos no fim do mês?

Essa é uma dúvida cada vez mais recorrente, sobretudo a partir da popularização da economia compartilhada. Mas, na realidade, não existe uma resposta única a respeito de qual alternativa compensa.

Para escolher entre Uber ou carro próprio, você precisa considerar fatores como os trajetos que realiza, os custos com combustível, os valores de tarifas nas corridas e praticidade.

Quer saber como tomar essa decisão? Continue lendo e aprenda a fazer o cálculo

Uber ou carro próprio: dúvida cada vez mais comum

A dúvida entre Uber ou carro próprio é cada vez mais comum entre as pessoas  — fruto da expansão da economia compartilhada ao redor do mundo.

Esse novo modelo de economia baseia-se no consumo colaborativo e em atividades de aluguel e troca de bens. É justamente o modelo por meio do qual funciona a Uber. E esse movimento segue como tendência daqui para frente.

De acordo com a consultoria PwC, a projeção é de que cinco setores principais da economia compartilhada (viagem, compartilhamento de carros, finanças, pessoal e streaming de música e vídeo) têm potencial para aumentar a receita global para cerca de 335 bilhões de dólares até 2025.

Já uma pesquisa de 2018 da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) aponta que 89% dos brasileiros já usaram alguma modalidade de consumo colaborativo e ficaram satisfeitos ou muito satisfeitos com a experiência.

Com esse cenário em mente, fica fácil entender por que as pessoas estão reconsiderando ter carro próprio e utilizar Uber (ou mesmo outros aplicativos concorrentes) como meio de transporte. Mas a verdade é que a escolha entre Uber e carro próprio varia conforme os trajetos que você percorre e o conforto desejado.

Carro é sinônimo de comodidade, pois você pode se transportar a qualquer momento, sem depender de terceiros.

Ao usar Uber, por sua vez, você pode escolher entre diferentes tipos de carros e não precisa dirigir, tampouco deixar o carro em estacionamento.

Uber ou carro próprio: o que vale a pena financeiramente

Afinal, como fazer o cálculo para identificar a melhor opção entre Uber ou carro próprio?

Primeiro, tenha em mente que o cálculo deve considerar todos os gastos envolvidos em comprar e manter carro próprio:

  • Custo de aquisição
  • Manutenção
  • IPVA
  • Seguro
  • Depreciação
  • Preço do combustível
  • Gastos com estacionamento
  • Gastos com multas
  • Quilometragem rodada por mês
  • Consumo de combustível do automóvel.

Considere também o custo de oportunidade, que equivale ao custo de uma oportunidade renunciada  — nesse caso, o de descartar a chance de aplicar o dinheiro referente ao carro em outras instâncias, como investimentos, por exemplo.

Para avaliar a melhor opção, você precisa colocar todos os valores na ponta do lápis, considerando as suas particularidades.

Apesar disso, de maneira geral, o carro é mais vantajoso para quem percorre alta quilometragem diária  — nesse caso, não compensa pagar Uber, já que a corrida é cobrada por percurso.

No entanto, para quem faz trajetos curtos ou usa carro só no fim de semana, a melhor alternativa é Uber, pois não compensa pagar todos os custos referentes ao carro próprio para percorrer distâncias curtas.

Estimativa de uso para decidir entre Uber e carro próprio

Vamos a um cenário hipotético. O preço da gasolina na sua cidade é de R$ 4 por litro.

Suponha que você percorre 830 quilômetros por mês aproximadamente.

Imagine que seu carro faz 15 quilômetros por litro. Nesse caso, considerando um período de um mês, você gastaria cerca de R$ 220, sem contar custos com estacionamento, seguro e multas (inclua esses gastos na conta, caso tenha).

Já a Uber disponibiliza a ferramenta de estimativa de custo no próprio aplicativo.

Os valores variam conforme a disponibilidade de motoristas, o horário, região e distância a ser percorrida.

O preço por bandeira é de R$ 2 na capital paulista, e as viagens partem de uma tarifa mínima, conforme a cidade.

Como horário, região e disponibilidade de motoristas são fatores que entram no cálculo de uma corrida de Uber, não dá para prever com exatidão os valores.

Por isso, a dica é fazer simulações no app em vários dias da semana nos horários em que você geralmente se desloca na cidade.

A partir desse mapeamento, é possível cruzar as informações relativas ao uso do carro e de Uber.

Com esse exemplo em mente, é hora de fazer a sua própria simulação de valores.

A ferramenta Valor Investe, do site de investimentos Valor Econômico, facilita o cálculo e compara as opções entre Uber, carro e táxi.