EDP Espírito Santo aumenta reajuste anual

Por Redação IQ 360

edp-reajuste

Na primeira semana de agosto, a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), validou o reajuste anual das tarifas da Espírito Santo distribuição de energia (EDP-ES). O reajuste, de 8,02%, entrou em vigor a partir do dia 7 de agosto.

Saiba como organizar suas finanças e não perder os prazos de pagamento!

Confira o guia completo que preparamos para você! Política de Privacidade

Acesse seu E-mail para baixar o conteúdo.

De quanto será o reajuste anual?

Devido às medidas tomadas para amenizar os impactos da crise do coronavírus, o reajuste ficou um pouco abaixo do esperado, confira:

  • 5,85% para residenciais atendidas em baixa tensão
  • 8,02% para pequenos e grandes consumidores

As tarifas, já com o novo reajuste, começaram a ser contabilizadas a partir do dia 7 de agosto. A área de concessão a EDP atende um total de 70 municípios na região do Espírito Santo.

Amortecimento no valor final do reajuste

O reajuste seria ainda maior, porém, segundo a Aneel, o empréstimo de R$15,6 bilhões estabelecido em maio de 2020, para diminuir os impactos da crise do coronavírus, foi um amortecimento do valor. Em média, o valor reduzido foi de 6,64%.

O empréstimo, que foi concedido para auxiliar o setor elétrico durante a crise foi fornecido por um conjunto de bancos públicos e privados e foi organizado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O empréstimo foi essencial para diminuir o impacto nas contas de energia elétrica dos consumidores durante o ano de 2020 e adiantar o pagamento das distribuidoras do setor.

O empréstimo será parcelado em 60 meses e só vai começar a ser debitado nas contas dos consumidores a partir de 2021.

O que foi levado em consideração da hora de definir o reajuste anual?

Para calcular o reajuste, o custo de geração, influenciado pela alta do dólar, custo das empresas e transmissão de energia foram os principais critérios levados em consideração, que correspondem a 41,5% do valor mensal pago pelo consumidor.

Gostou do artigo e quer continuar recebendo atualizações sobre finanças? Assine a newsletter do iq e não perca nada!