5 profissões mais mal pagas no Brasil

Por Redação IQ 360

profissoes-mal-pagas-brasil

Fazer aquilo que gosta é muito importante para ter realização pessoal, mas também é preciso considerar que a remuneração é um fator muito importante na hora da escolha. Afinal de contas, a máxima do trabalho por amor pode ser interessante na teoria, mas dedicar-se a uma carreira sem obter dela o necessário para uma vida confortável pode ser bastante frustrante.

O cenário econômico do Brasil, atualmente, apresenta dificuldades para profissionais de praticamente todos os segmentos. Dados do IBGE apontam que o desemprego caiu para 12% no segundo trimestre de 2019, mas a renda média do brasileiro também teve redução de 1,3% em relação ao trimestre anterior. Ou seja, mesmo estando empregado, o rendimento médio mensal pode não representar aquilo que se deseja para ter estabilidade financeira e conquistar os objetivos profissionais.

Na hora de escolher a profissão, as finanças pessoais devem ser combinadas com aquilo que você gosta de fazer e que aptidão para exercer. De nada adianta escolher um curso superior em uma área rentável se as habilidades necessárias para executar o trabalho não sejam fáceis para você. Ou seja, vale a pena pesquisar bem as tendências do mercado para escolher uma profissão que tenha possibilidade de conseguir uma boa renda e não cair em uma carreira obsoleta ou em baixa a longo prazo.

Professores

É uma triste realidade, mas a docência ainda é uma das profissões menos valorizadas do ponto de vista da obtenção de finanças pessoais. A atuação na educação básica é a que mais sofre, com rendimentos que beiram o salário mínimo e tornam-se defasados com o tempo devido à falta de reajustes e precarização das condições de trabalho.

Isso não significa que a profissão necessariamente deve ser eliminada da lista de escolhas. A especialização é a chave nesse caso, já que cursos de pós-graduação podem ser essenciais para obter cargos de docência em ensino superior, por exemplo, ou alcançar cargos de chefia em escolas. Os concursos públicos também são uma boa opção, já representam estabilidade empregatícia e possibilidade de crescimento profissional por meio de planos de carreira.

Enfermagem

Jornadas longas e salários baixos fazem parte da realidade de muitos profissionais de enfermagem. A possibilidade de contratação de profissionais técnicos e com curso superior também sinaliza uma grande disparidade salarial, sobretudo quando se considera que nem sempre a divisão de tarefas é feita de maneira proporcional no ambiente profissional.

Uma alternativa que tem representado uma boa fonte de renda para os profissionais dessa área é a especialização em cuidado de idosos, já que a população em terceira idade cresce progressivamente e a necessidade de cuidadores é cada vez maior. Nesse caso, a dica é especializar-se nessa área por meio de cursos e treinamentos, preparando-se para atuar nas diversas possibilidades que o campo permite.

Serviço social

A alocação de profissionais de serviço social em órgãos públicos ou instituições sem fins lucrativos é um dos principais fatores que fazem com que a profissão não seja a mais rentável. Escolher o serviço social pode não ser a opção mais interessante para quem quer ter segurança imediata nas finanças pessoais, mas é possível encontrar ONG’s, institutos e segmentos concursados que garantem salários mais altos e maiores gamas de benefícios.

Farmácia

Enquanto a figura do farmacêutico figurava há algumas décadas como uma das mais promissoras, a realidade hoje em dia não é mais a mesma. A popularização das ferramentas de informação tornou a necessidade de consultar um profissional especializado para a escolha de medicamentos quase obsoleta. É claro que a ocupação profissional em indústrias e em estabelecimentos comerciais ainda é bastante frequente, mas praticamente todo um nicho de profissionais foi dissolvido com o passar do tempo – atendentes de farmácia, por exemplo, não precisam ter diploma na área; nas empresas, biomédicos podem executar tarefas semelhantes.

Da mesma maneira que nas profissões mencionadas anteriormente, a dica é especializar-se em um segmento rentável e interessante. Farmácias de manipulação e homeopatia, por exemplo, são áreas com bastante mercado, assim como indústrias de cosméticos e produtos de beleza.

Vendas de atacado e varejo

A internet revolucionou os modos de compra e venda, mas também reduziu significativamente as vendas em lojas físicas. Com isso, vendedores passaram a receber menos comissões e passaram a aparecer em número menor em lojas de segmentos variados.

Driblar essa situação pode ser uma ação feita por meio da inserção em e-commerces, na parte de atendimento ou vendas online, ou mesmo no acompanhamento de tendências. Lojas de eletrônicos, por exemplo, estão em expansão e podem ser uma boa área de atuação para quem quer trabalhar no setor.

Profissões menos valorizadas no mundo

Repórter de jornal

Em tempos de redes sociais e portais de notícias, o jornalismo impresso teve seu curso completamente alterado. A modificação pode ter favorecido novas mídias e campos de atuação, mas prejudicou as finanças pessoais de jornalistas de todo o mundo. Demissões em massa pipocaram em praticamente em todas as redações e o fechamento de veículos também não para de acontecer. Nesse caso, a saída é buscar ocupações em mídias digitais e tentar se adequar ao novo modo de produção de notícias.

Locutor de rádio

De protagonista das casas de todo o mundo a plano de fundo de passeios de carro, o rádio também sofreu com a inserção de novas tecnologias no segmento de telecomunicações. O que se observa, no entanto, é um aumento no interesse de públicos variados por podcasts, que são uma espécie de adaptação dos antigos programas de rádio para um formato mais moderno, interativo e rápido, o que também pode ser uma boa alternativa para os profissionais do rádio que querem encontrar meios de melhorar suas finanças pessoais.

Lenhador

A figura do lenhador deixou de ser uma realidade para passar a compor um imaginário estereotipado da profissão. Um dos motivos? A praticamente extinção da profissão. Com maquinários e equipamentos que permitem a execução do trabalho em pouco tempo, o processo manual tornou-se cada vez mais raro. Encontrar maneiras de atuar no setor automatizado, como o manejo de máquinas ou transporte de cargas, pode ser a saída para quem exerce essa profissão.

As informações foram úteis?

0 / 5 (0 avaliação)