Como ter controle financeiro: um guia para se organizar em 2020

Por Redação IQ 360

controle financeiro pessoal

Ter uma vida econômica positiva, estável e vantajosa é cada vez menos um sonho e cada vez mais uma real possibilidade para os brasileiros. Isso porque as métricas e opções disponíveis. hoje em dia. conseguem tornar real possibilidades muito interessantes e concretas, desde que se sigam adequadamente as dicas para quem quer ter controle financeiro pessoal.

O objetivo do controle financeiro pessoal é fazer com que a renda obtida seja suficiente para cobrir todas as despesas e poupar para ter uma reserva de segurança. Além disso, é preciso ainda conseguir ter um fundo para colocar em prática operações financeiras como investimentos, planos de compra e objetivos de curto, médio ou longo prazo.

Quer saber como fazer isso de maneira eficiente e simplificada? Confira o nosso passo a passo sobre como ter controle financeiro pessoal para ter um ano cheio de aprendizado!

Saiba como ser aprovado para um cartão de crédito!

Confira dicas exclusivas no ebook iq para aumentar as chances de ser aprovado para um cartão de crédito Política de Privacidade

Acesse seu E-mail para baixar o conteúdo.

Como ter controle financeiro pessoal?

Passo a passo para ter controle financeiro pessoal e começar 2020 com suas finanças organizadas

1 – Tenha controle dos seus gastos

Antes de começar a fazer qualquer plano ou compromisso, é preciso entender de que maneira seu dinheiro está sendo gasto. Para isso, a dica é ter sempre um registro escrito disso, que pode ser compilado em agendas, planilhas ou aplicativos de registros de gastos.

O app do iq, por exemplo, permite que você sincronize suas contas para que elas sejam pagam automaticamente, ou seja, você não precisa se preocupar com o vencimento dos boletos.

2 – Avalie seu estilo de vida

Está com seu registro de despesas e ganhos em mãos? Avalie seu material. Veja quais são as áreas que tiveram maior peso no orçamento e como essa fatia pode ser reduzida. Algumas vezes, hábitos acontecem de maneira impensada e podem prejudicar em muito as finanças pessoais. Por exemplo: é realmente necessário assinar todos os canais da TV a cabo e mais algum serviço de streaming? Repense e veja se está investindo em itens supérfluos ou não.

Comer fora de casa também pode ser um grande responsável por gastos que passam despercebidos sem um controle financeiro pessoal mais atento. Cafés diários, delivery e pratos prontos são mais caros do que refeições feitas em casa. Que tal comer melhor e com mais economia para poder reduzir seus custos com alimentação? Considere essa possibilidade e aplique o mesmo princípio para outros aspectos, até encontrar um bom equilíbrio financeiro.

3 – Ter em mente o quanto deve poupar

Fazer uma poupança nem sempre é uma tarefa fácil. No entanto, isso pode se tornar mais fácil com uma dica bastante simples: estabeleça o quanto quer poupar mensalmente e retire o valor de seu pagamento, e não da “sobra” do final do mês. A poupança não pode ser constituída somente de um valor variável, mas sim de um percentual criado anteriormente.

Muitos economistas sugerem que seja poupado um total de 30% do rendimento mensal. É claro que esse valor deve ser pensado em cada caso, mas é preciso ter em mente de que se trata de um compromisso mensal que não deve ser visto como opcional. Caso sinta dificuldades em fazer isso, crie um plano de investimentos debitado em conta ou mesmo com formato de “carnê”, em que é preciso pagar o boleto mensalmente na data do vencimento.

É preciso, porém, entender o que realmente é um investimento daquilo que é uma despesa. A compra de um carro, por exemplo, pode ser um bom objetivo, mas não pode ser vista como um investimento. A desvalorização do bem ao longo dos anos, assim como as despesas anuais com impostos e manutenção, podem representar um rombo no orçamento.

Por isso, pense bem antes de investir e tenha certeza de que seu dinheiro está sendo valorizado ao longo do tempo.

4 – Ter objetivos e metas

Ter organização e controle é importante, mas não se pode ter sucesso completo se não se sabe onde chegar, não é mesmo? Por isso, estabeleça seus objetivos e metas. Comprar uma casa ou carro? Ter dinheiro suficiente para ficar um ano sem trabalhar? Investir a longo prazo para uma previdência privada? Não importa seu objetivo, é preciso que ele seja dito para que se possa traçar metas sobre ele.

Coloque na ponta do lápis aquilo que você quer e como pode conseguir. Veja como seu objeto de desejo pode se encaixar em seu orçamento, analisando o tempo que será preciso para que ele dê certo. Se preciso, pense em maneiras de investimento e potencialização da reserva para fazer a compra. O uso do FGTS para a compra de um imóvel financiado, por exemplo, pode dar a ajuda necessária para conseguir fazer a transação.

5 – Reavaliar-se constantemente

Já deu para perceber que planejamento e organização são as palavras-chave para um ano de boas finanças, né? Entretanto, isso não é uma tarefa de acontecimento único. É preciso avaliar-se o tempo todo e fazer dessa tarefa um verdadeiro hábito cotidiano.

Seus planos de economia e cortes não foram suficientes para encaixar todas as despesas? Tente reduzir mais. Ainda assim não consegue fazer o dinheiro atender a todas as demandas? Considere rendimentos mais lucrativos ou fontes de renda extra como vendas online, motorista de aplicativo e horas extras.

Veja o que for mais lucrativo para seu contexto e se pode buscar uma maneira de conseguir o que precisa para alcançar o controle financeiro pessoal sem precisar fazer grandes sacrifícios no presente ou no futuro. Afinal, tudo o que você faz hoje se reflete em suas finanças de longo prazo.

Qualquer que seja seu objetivo, o iq fornece a tecnologia necessária para que suas contas fiquem sob controle e que tudo aconteça da maneira mais simples possível. Além disso, nossos especialistas oferecem conteúdo de qualidade e com dicas infalíveis para quem quer organizar sua vida financeira. Confira agora mesmo!