Tudo o que você precisa saber sobre cheque especial

Por Redação IQ 360

As dívidas deram um salto maior do que previsto, fazendo com que as contas saíssem do controle? Ou surgiu um imprevisto e você precisa recorrer a outras formas de contornar o problema de forma rápida? 

Saiba que essas situações são mais comuns do que você imagina.

Por isso, o mercado financeiro oferece diversas opções de crédito aos consumidores que se veem em situações semelhantes, um desses meios que você talvez já tenha ouvido falar é o cheque especial.

O cheque especial é uma modalidade conhecida como crédito automático que fica disponível ao consumidor para ser usada em situações de emergência, em casos de imprevisto ou para cobrir uma necessidade pontual. 

Descubra o que é o cheque especial e como funciona antes de utilizá-lo. 

O que é e como funciona o cheque especial?

Basicamente, o cheque especial é um sistema de crédito automático, pré-aprovado, que bancos disponibilizam aos clientes para situações de emergência em que não há saldo disponível no devido momento de realizar um pagamento.

O crédito fica disponível na conta corrente do cliente e é indicado para imprevistos que possam surgir. 

Assim, quando o saldo não é suficiente pagar uma conta, o cheque especial pode ser usado para cobrir essa despesa.

Se o cliente tem contas programadas no débito automático, como parcelas mensais do cartão de crédito ou algo semelhante, e o saldo em conta não é suficiente para pagar o valor total do cartão, pode usar esse limite para pagar a conta. 

Também pode ser utilizado para cobrir um cheque ou mesmo para saques.

Pagamentos

O cliente poderá pagar o valor por meio do cheque especial diretamente em sua conta. O pagamento é referente ao valor cedido somado aos juros cobrados pela utilização do cheque. 

A taxa varia de banco para banco e pode ser descontada automaticamente da conta-corrente do cliente.

Taxas

Além dos juros, pode haver cobrança de outras taxas pelo serviço oferecido, que também variam dependendo do banco.

As taxas são cobradas pelo serviço prestado e também são como uma garantia do banco, já que o limite disponível no cheque especial é oferecido sem pedir garantia, ou seja, as taxas são cobradas pela praticidade e agilidade em uma situação de emergência e, por isso, são mais altas do que em empréstimos tradicionais.

Novas regras

O Banco Central impôs aos bancos uma redução dos custos em relação ao cheque especial, que era em média de 12,4% ao mês e, a partir de janeiro de 2020, o cheque especial não deverá ter custos maiores que 8% ao mês. 

Além disso, outra mudança também foi autorizada: agora os bancos podem cobrar dos clientes uma taxa para ter disponível um limite de cheque especial. A cobrança máxima é de 0,25% sobre o limite de crédito que for maior que R$ 500. 

Esta mudança, contudo, afetará quem tiver o serviço com data de autorização a partir janeiro.

Para quem tiver contratos ativos anterior ao decreto a mudança entrará em vigor a partir de 1º de junho e o cliente deverá ser avisado com antecedência de 30 dias.

O fato é que, mesmo que o cliente não utilizar o limite disponível, deverá pagar pelo serviço. O cliente que tiver limite de cheque especial de até R$ 500 disponível e não o utilizar, não pagará nenhuma taxa. 

No entanto, se o valor disponível pelo cheque for acima disso o cliente paga os 0,25% sobre o valor excedente, mesmo sem usar.

Qual a diferença entre cheque especial e crédito pessoal?

Embora tenham certa semelhança e sejam estabelecidos como tipos de empréstimos, o cheque especial e o crédito pessoal apresentam diferenças entre si. 

Ambos entram no segmento de empréstimo porque são um limite de valor que bancos e instituições financeiras liberam para clientes. 

E devem ser pagos dentro de um prazo, sendo o cliente taxado pelo serviço de empréstimo.

No entanto, as diferenças são em relação ao modo de contrato, como funcionam e as taxas de juros. 

O cheque especial é um crédito automático pré-aprovado e deve ser usado quando o gasto é maior que o saldo em conta. Dessa forma o banco libera o valor excedente da dívida como um empréstimo. 

Já o crédito pessoal é um tipo de empréstimo que necessita ser contratado pelo cliente, passando por uma análise de perfil, valor, prazo e taxas para que seja aprovado.

Uma grande diferença está nas taxas de juros cobradas por ambos os serviços de empréstimo. Geralmente, a taxa cobrada no crédito pessoal é mais baixa do que a do cheque especial. 

Isso porque, para usar o cheque, não é necessária nenhuma garantia de pagamento e o crédito é pré-aprovado, o que difere do crédito especial, que passa por uma análise mais rigorosa e pode não ser aprovado.

Outro ponto importante de ser ressaltado é que quanto mais tempo o cliente ficar com o cheque especial sendo utilizado, maiores serão as taxas cobradas, o que não acontece com relação ao crédito especial, já que é possível saber quanto irá pagar mensalmente e a taxa de juros gerada sobre as parcelas pode ser fixada.

Quando usar cheque especial?

É fato que contratar um empréstimo é aconselhável apenas em casos específicos, mas e quanto ao cheque especial especificamente? Quando usar?

Se o contrato do empréstimo pessoal, por exemplo, é aconselhável apenas em certas situações, com o cheque especial esse cuidado deve dobrar. 

A recomendação é que o uso seja mesmo apenas para emergências, como no caso de as despesas do cartão de crédito terem sido maiores que o previsto e o saldo em conta não for suficiente para cobri-las. 

É importante, porém, utilizá-lo em poucos dias, ou seja, se você está prestes a receber o valor que poderá cobrir a conta, mas ainda não chegou o dia do pagamento e a conta já venceu, então poderá usar o cheque especial sabendo que irá cobrir o valor o quanto antes, logo que receber.

Retorne o valor o mais rápido possível para evitar os juros altos.

Vale a pena também procurar saber do seu banco se há um prazo estipulado para não ocorrer a cobrança dos juros dentro de alguns dias, pois, nesse caso, você poderá se organizar para quitar a quantia emprestada antes de vencer o prazo e não pagar nada além do valor utilizado. 

Embora haja a opção de utilizar o cheque especial, o ideal é que o consumidor se organize e tenha uma reserva para situações emergenciais e, dessa forma, não precise pagar as altas taxas do mercado de crédito.

Para isso, portanto, você gostaria de aprender a gerenciar e controlar suas finanças pessoais? O iq tem conteúdos e serviços focados em auxiliar você nessa questão, clique aqui e conheça as melhores dicas de controle financeiro!